はじめまして!ブルノです。

Muito prazer! Eu sou o Bruno.

Meu nome é Bruno, tenho 25 anos, trabalho a sete anos com desenvolvimento Web na parte de Front-End. Sou auto-didata, aprendi a língua inglesa por vontade própria (Quem estudou em escolas públicas na mesma época que eu sabe que as aulas de inglês eram um grande loop do verbo to be até o segundo ano, e depois tentavam compactar todo o resto correndo no segundo e terceiro anos.). E Comecei a me interessar pela língua japonesa quando estava no terceiro ano, comecei a estudar mas acabei parando. Recentemente voltei a estudar a linguagem e me interessar pela cultura. Considerei a metodologia que tenho utilizado muito melhor que a minha antiga e consegui encontrar bons matérias de estudo gratuitos pela internet. Por isso decidi criar esse blog, para gravar um diário de meus estudos, e compartilhar meus métodos caso algum louco também os ache melhores.

Sobre este blog.

Apesar de não ter a cara, este é um blog pessoal. Não sou fluente na linguá japonesa, não sou um professor e essa não é a minha ideia. Sou apenas um estudante e entusiasta. Então não comprem este blog como a verdade absoluta, em algum momento eu posso tomar uma curva errada, ou ter que me corrigir. Esse blog basicamente vai conter a minha trilha de aprendizados, sejam os que estão dando e continuaram dando certo. E os que falharem. Assim como meu conteúdo pessoal de pesquisas que gosto de fazer sobre a cultura, locais, mitologia, ou quem sabe no futuro até mesmo falar de jogos, livros, e mídias em geral exclusivas do país?

Minha história com o estudo da língua.

A anos atrás quando me interessei em aprender a língua pela primeira vez, utilizei como material base uma apostila que na época era distribuída na internet como “O melhor material para aprender japonês em Português”. E achei a mesma apostila, com a mesma recomendação em alguns lugares diferentes. Peguei a apostila, imprimi, porque sejamos honestos, é difícil manter a concentração na frente de uma tela na internet. E comecei a estudar. Estudava todos os dias, pelo menos uma hora por dia, quando possível mais. E como na época eu assistia muitos Animes era um conteúdo extra bem interessante… Mas ai entrou o porém

Após mais ou menos três meses de estudo eu começava a perceber que não estava aprendendo tão bem… a introdução da dita apostila fazia menção dos alfabetos Katakana e Hiragana porém não ensinava eles, nos exercícios da apostila tínhamos os símbolos e alguns até pediam para escrever com eles, mas como em momento nenhum a apostila focava em ensiná-los era frustrante, pois fazia você se sentir como se não estivesse aprendendo o que deveria, e para quebrar, como um fã de anime começou a bater um desânimo em dobro quando percebi que mesmo entendendo muito pouco da língua, eu comecei a encontrar diversos erros absurdos e básicos em legendas. No final me senti tão desmotivado por ter estudado tanto e investido um bom tempo, sentindo que não tinha aprendido nada, o que me fez parar de estudar na época…

Então pulamos para este ano, pela metade de 2018. E eu voltei a estudar e aprender, posso dizer que praticamente do nada. Um certo dia estava assistindo a um vídeo de um canal que acompanho no youtube, era basicamente um vídeo daqueles pagos, onde os youtubers estavam jogando um jogo mobile e fazendo a critica dele, um deles comenta que ele não se via jogando esse tipo de jogo por muito tempo de jogo, enquanto o outro respondeu que esse é o tipo de jogo que você joga quando esta esperando em uma fila, citando, “Você não jogaria esse jogo esperando na fila da pediatra da sua filha?”, e o cara responde: “Na verdade ultimamente nessas ocasiões eu tenho usado aqueles aplicativos de Flashcards de símbolos japoneses pois estou tentando aprender a língua”. Esse foi o irônico momento de inicio, porque eu já tinha usado aplicativos deste tipo mas não via como eles poderiam me ajudar. Então, de bobeira decidi tentar, todo o dia, pelo menos de manhã e de noite, eu fazia uma revisão… Começando com os Hiraganas simples, que levei uns 3 dias para começar a reconhecer todos de vista, passando pros Hiraganas variados, que passei na primeira semana, e, pessoalmente tenho algum problema com os Katakanas, levei duas semanas pra começar a reconhece-los de forma “Mais ou Menos”, porque eu vivo confundindo eles. Até ai, tudo bem, é só um jogo, mas foi ai que eu tirei da minha prateleira alguns mangás que o Fuzi me trouxe do Japão a alguns anos, na época que eu comecei a estudar pela primeira vez, e… eu conseguia ler… Claro, eu não estudei a gramática, eu não compreendia nada fora de diálogos simples, porém eu compreendia o que estava sendo “dito” em “palavras”. E foi ai que tudo começou! Revirando muito a internet eu encontrei a série de Livros “Meu Amigo Kanji”, feito para crianças estrangeiras que vão morar no Japão e estão tendo dificuldade com Kanji, e comecei a aprender os kanjis, e nesse meio tempo fui pesquisando mais e mais conteúdo e descobrindo que eu simplesmente “aprendi errado” da primeira vez.

Minha metodologia de aprendizado.

Eu tive uma metodologia com inglês que deu muito certo, que era sempre tentar utilizar a língua quando possível, assistir conteúdo sem legenda, ouvir muitas músicas, ler livros e fazer pesquisas, etc… Mas por algum motivo, talvez por saber que a linguagem de símbolos não era tão simples, e fiquei com medo na língua japonesa, e tentei aprender pela linha do material. Isso comigo nunca dá certo.

Vou falar mais de materiais no primeiro post: ようこそみんな!, mas em resumo a minha metodologia foi:

  • Aprender os Hiraganas base com app de flashcards
  • Aprender os Hiraganas variantes com o app de flashcards
  • Aprender os Katakanas base com o app de flashcards
  • Aprender os Katakanas variantes com o app de flashcards
  • Começar a estudar os Kanjis do primeiro ano do primário com o livro do Meu Amigo Kanji

Inicialmente foi isso, eu sabia que o próximo passo era encontrar um livro de gramática e de conversação, pois não ia adiantar grandes coisas eu aprender vários símbolos e palavras sem saber formar ou entender frases, e parece que eu encontrei uma solução para isso, que será discutido no post ようこそみんな!

Sem saber, durante minhas pesquisas parece que eu acertei em minhas decisões sem perceber com alguns pontos.

  • No Japão as crianças primeiro aprendem o Hiragana, podendo começar desde os 3 anos de idade.
  • Em seguida eles começam a aprender os Katakanas, muitas vezes começando pelos 5 anos de idade.
  • No primeiro ano do primário eles começam a estudar os kanjis mais básicos, mantendo o estudo de Hiragana e Katakana (A escrita japonesa é muito mais complexa do que parece) e começando matérias gerais como nós como matemática, ciências, geografia e gramática.

Eu meio que sem saber iniciei meu novo método de estudo, como se fosse uma criança japonesa. E depois descobri que tinha acertado ainda mais… Diversos professores estrangeiros que deram aulas no Japão e ficaram fluentes na língua confirmam que um dos métodos de ensino mais comuns no Brasil é extremamente ineficiente e que pode atrapalhar o aprendizado dos alunos, que é o método de aprender por Romanji. Para quem não sabe o que é, é basicamente a escrita romana da forma que se pronuncia o japonês, por exemplo, o titulo deste posto, Hajimemashite! Buruno Desu!. O problema indicado por esses professores é que muitas vezes a pronuncia é diferente da escrita, fazendo com que a pessoa aprenda a palavra de forma errada, assim como muitas palavras tem a mesma pronuncia porém a escrita diferente na língua, fazendo com que as pessoas tenham dificuldade em aprender a simbologia como deveriam.

Conhecendo o meu método.

Não, eu sei que esse post e blog tem toda a cara daqueles blogs que vão pedir seu e-mail em troca de material, ou ficar te vendendo aulinhas mal explicadas, mas esse não é o tópico, como eu disse antes, o meu método é o que tem dado certo para mim, e o que eu vou compartilhar para quem quiser tentar. No post a seguir eu compartilharei os materiais que tenho usado, os materiais que comecei a utilizar, e algumas recomendações que acho justas para quem quer começar a estudar, cabe a você ver se este método é bom para você, e se não, não desanime, existem outras metodologias e você pode encontrar uma que se adapte melhor ao seu estilo.

Para continuar leia o post: ようこそみんな!